Os EPIs, equipamentos de proteção individual, são essenciais para garantir a saúde e a proteção do colaborador de sua empresa. A partir do uso adequado, é possível evitar consequências mais graves em casos de acidentes e até mesmo efeitos a longo prazo, tendo em vista que alguns ambientes laborais podem gerar problemas de saúde no funcionário. Entre esses itens, o equipamento de proteção respiratória é um dos principais para a segurança do profissional.

Pensando nisso, elaboramos este post para que você entenda melhor o que é um EPI e um equipamento de proteção respiratória (EPR), bem como seus principais usos e a sua importância. Boa leitura!

O que é o EPI e qual a sua importância?

O EPI pode ser definido como todos os itens que contribuem para que o colaborador esteja protegido de riscos que são capazes de ameaçar a sua segurança e a sua saúde. Não existe uma regra específica sobre quais são os equipamentos a serem adotados por uma empresa, pois isso vai depender da realidade e das necessidades de cada negócio.

Para isso, é preciso que seja feito o mapeamento de riscos ocupacionais: quais são os perigos aos quais os colaboradores estão submetidos? Altura? Ambiente tóxico? Local com pouca estabilidade? A partir disso, é possível identificar, por exemplo, os perigos de uma planta industrial, contribuindo para que a organização reduza-os ou neutraliza-os. 

Sendo assim, os EPIs são fundamentais no dia a dia de trabalho, uma vez que protegem o profissional individualmente e reduzem qualquer tipo de risco ou ameaça. Esse uso é determinado por meio da norma técnica denominada NR 6, cujo objetivo é estabelecer que os itens sejam fornecidos aos funcionários gratuitamente, para que eles desempenhem suas funções com segurança. 

Ou seja, a norma obriga os supervisores e a empresa a garantir aos profissionais equipamentos adequados de proteção individual, assim como fornecer treinamentos para o uso correto deles. Esses equipamentos devem ser utilizados durante toda a jornada de trabalho e precisam ser oferecidos em tamanhos específicos — um capacete de segurança, por exemplo, não pode ser apertado demais e nem ficar frouxo na cabeça do colaborador. 

Se ao analisar os riscos de sua empresa você identificou que precisa do equipamento de proteção respiratória, vamos explicar mais sobre esse item!

O que é o equipamento de proteção respiratória?

Assim como dito na introdução, existem riscos que devem ser evitados até mesmo a longo prazo — doenças respiratórias são bons exemplos disso. Ao proteger o funcionário de partículas nocivas que estão associadas ao ambiente, como vapores orgânicos, poeira, fumaça, gases tóxicos, entre outros, a empresa estará preservando a saúde do colaborador, além de evitar o absenteísmo caso o funcionário seja acometido com alguma infecção. 

A utilização correta dos EPRs dentro de uma empresa é regulada pelo Programa de Proteção Respiratória. Seu objetivo é reunir uma série de medidas para controlar a incidência de doenças respiratórias na organização. 

Quais são os riscos respiratórios para o colaborador?

Caso a empresa tenha alterações das condições normais do ar, que vão interferir diretamente na respiração do funcionário e gerar danos ao seu organismo, ela está propícia a desenvolver riscos respiratórios no profissional. Um exemplo prático: ao inalar o pó de sílica, elemento que está presente na areia, o colaborador pode desenvolver: 

  • artrite reumatoide;
  • enfisema;
  • doenças autoimunes;
  • câncer de pulmão. 

Entre os problemas a curto prazo, destacamos:

  • fraqueza;
  • tosse intensa;
  • sudorese noturna;
  • diminuição da capacidade de respirar. 

Por meio dessa análise, percebemos o quanto os equipamentos de proteção respiratória são essenciais para a integridade do funcionário. Com o objetivo de escolher o item adequado, é necessário mais um estudo por parte dos gestores: medir a concentração do agente químico inspirado diariamente. Assim, é possível selecionar o respirador apropriado para que o colaborador o utilize sempre que estiver no ambiente. 

O que é o teste de vedação? 

Para o uso eficiente do equipamento de proteção respiratória, o teste de vedação é uma das principais etapas. Você sabe o que é isso? Ele consiste basicamente na verificação do EPR para que os profissionais tenham a certeza de que ele está adequado ao rosto do trabalhador.

Devido ao fato de cada pessoa ter uma simetria diferenciada, é preciso verificar a selagem do EPI no rosto do funcionário. Dessa forma, é possível ter certeza de que o equipamento está realmente protegendo a pessoa das contaminações existentes. 

Além disso, os gestores precisam consultar o trabalhador sobre o conforto daquele equipamento. É necessário que ele esteja adequado para não atrapalhar as suas funções diárias e nem comprometer a sua integridade. 

Qual a importância do treinamento?

Mais do que oferecer os equipamentos de proteção individual ao colaborador, é necessário treiná-los para que o uso seja feito de maneira correta e contínua. Dessa forma, elabore materiais educativos, palestras de curta duração ou qualquer outra ação parecida com o objetivo de que o trabalhador entenda a importância de utilizar aqueles itens, saiba operá-los corretamente e compreenda o quanto os equipamentos vão protegê-lo nas tarefas diárias.

Essa atitude traz para a empresa e para os funcionários a conscientização do uso. Além disso, a organização tem a chance de apresentar a todos os funcionários quais são as medidas de segurança adotadas para a proteção, que vão reduzir os riscos ocupacionais diários. 

Quais são os principais equipamentos de proteção respiratória?

Entre os principais tipos de EPIs para a proteção respiratória, destacamos:

  • respirador facial;
  • respirador semifacial;
  • respirador sem manutenção;
  • equipamento de respiração autônomo; 
  • sistema de linha de ar;
  • demais acessórios: base para filtro, retentor para filtro mecânico, película para respirador facial, entre outros. 

Existem, ainda, alguns filtros respiratórios que são divididos em categorias:

  • filtro mecânico; 
  • filtro químico;
  • filtro combinado. 

Cada item apresentado tem uma finalidade específica, exigindo do gestor a análise e o estudo das suas necessidades para a escolha adequada.

Na leitura deste conteúdo, você pôde entender um pouco mais sobre a importância do equipamento de proteção respiratória, além de saber quais são os seus tipos e por que o EPI é fundamental no dia a dia do colaborador. Oferecer itens como esses aos trabalhadores traz conscientização de segurança e é uma prática obrigatória. Além disso, diminui as chances de consequências graves em acidentes. 

Ficou com alguma dúvida sobre o assunto? Deixe seu comentário no post e vamos fomentar o debate!

Powered by Rock Convert