O Equipamento de Proteção Individual ou, como também é conhecido, EPI, é um produto ou dispositivo de uso obrigatório e deve ser concedido gratuitamente pelas empresas a todos trabalhadores que atuam como empregados sob o regime da CLT.

Sendo assim, para que esse equipamento tenha um tempo de durabilidade maior e possa ser utilizado de forma eficiente é necessário que certos cuidados sejam tomados para conservá-lo e garantir um bom tempo de vida útil.

Por isso, neste conteúdo mostraremos algumas práticas úteis para que você saiba como fazer a higienização do EPI. Quer entender mais sobre o assunto? Então, não deixe de conferir este artigo!

Por que é importante manter o estado de conservação dos EPIs?

O uso de um Equipamento de Proteção Individual com defeito gera ao seu usuário uma sensação falsa de segurança, podendo causar mais problemas do que benefícios.

Por isso, é muito importante que todos os EPIs sejam verificados com regularidade quanto ao seu desempenho, além de serem mantidos em boas condições de uso para que o dispositivo permaneça oferecendo o grau necessário de proteção para o qual foi desenvolvido.

Para isso, deve ser realizado um cronograma de conservação, que consiste em um processo que inclui higienização, desinfecção, reparação, substituição, exame e teste.

Como deve ser realizado um cronograma de conservação de EPIs?

Um cronograma de conservação, manutenção e higienização de EPI deve ser implementado na empresa para que cada equipamento seja atribuído aos profissionais competentes para a realização do trabalho.

No cronograma devem estar inclusos processos como:

  • procedimentos de verificação, limpeza, desinfecção e armazenamento;
  • designação de profissionais para conservação de EPI e suas responsabilidades;
  • treinamento sobre a manutenção correta do EPI no local de trabalho;
  • informações sobre o prazo de validade ou vida útil de determinados equipamentos como: luvas, capacetes de segurança, vasos de respiradores e etc;
  • procedimentos de verificação, limpeza, desinfecção e armazenamento;
  • critérios de substituição;
  • horários para limpeza, verificação de desempenho, desinfecção e outros serviços de manutenção.

Quais são as responsabilidades do trabalhador em relação à conservação e higienização de EPI?

Segundo o que estabelece a Norma Regulamentadora de número 6 (NR-06), cada colaborador tem a responsabilidade de fazer a limpeza dos Equipamentos de Proteção Individual aos quais lhe foram designados pela empresa.

Dentre as responsabilidades que a NR determina ao trabalhador em relação aos EPIs, podemos citar as principais como:

  • utilizá-los apenas para o objetivo que os EPIs são destinados;
  • utilizá-los adequadamente;
  • armazená-los e conservá-los da forma apropriada, longe de umidade, impurezas ou de contato com insetos;
  • informar ao técnico de segurança no trabalho sobre qualquer estrago ou alteração no equipamento;
  • cuidar da higienização de EPI após seu uso;
  • solicitar substituição do equipamento quando for necessário.

É importante mencionar, ainda, que em relação aos protetores respiratórios faciais, é recomendado que a limpeza seja feita por profissionais habilitados pelo Serviço Técnico de Segurança do Trabalho.

Como fazer a higienização de EPI?

Algumas das práticas recomendadas para a higienização de EPI, de maneira generalizada, que podemos citar são;

  • utilize sempre sabão neutro para os Equipamentos de Proteção Individual;
  • não utilize produtos corrosivos ou abrasivos — podem danificar o EPI, colocando em risco a segurança e saúde do usuário;
  • coloque o EPI para secar na sombra — o contato com a luz do Sol deve ser evitado, já que o calor pode danificar o material e causar danos como rachaduras e ressecamento, por exemplo;
  • evite armazenar o EPI junto a outros itens, principalmente produtos pontiagudos ou que possam prejudicar a integridade do equipamento;
  • jamais guarde um Equipamento de Proteção Individual sem que ele esteja totalmente seco — o armazenamento do EPI úmido em um ambiente fechado pode desencadear a proliferação de bactérias.​

Capacetes

Ao final de cada expediente de trabalho passe um pano úmido para retirar o excesso de sujeira. Lembre-se de orientar os empregados a solicitar um novo EPI, caso o dispositivo apresente algum trincado ou esteja sem sua fita de segurança.

Óculos de proteção

No final de cada jornada de trabalho o EPI pode ser higienizado com detergente ou sabão neutro. Deve-se evitar esponjas ou materiais abrasivos em sua higienização, e a secagem deve ser feita  com uma toalha macia ou papel toalha.

Também deve ter o uso evitado caso apresente algum trincado ou ainda esteja embaçado, por conta do processo de limpeza.

Respiradores

Um pano úmido deve ser passado sobre o equipamento ao final de cada dia de trabalho para tirar o excesso de poeira e sujeira. A secagem pode ser feita com uma toalha macia ou papel toalha. Mas os filtros devem ser trocados sempre que necessário.

Uniformes

Apesar dos uniformes nem sempre serem considerados EPIs, são equipamentos que também exigem cuidados especiais para que sejam conservados e não prejudiquem a saúde e a segurança física dos trabalhadores.

É preciso que sejam lavados sempre que necessário e seu uso fora do ambiente laboral deve ser evitado, especialmente se forem EPIs destinados a atividades de risco específicas como roupas térmicas, aventais etc.

Caso apresentem qualquer tipo de dano como rasgos, fissuras ou aberturas, deve-se solicitar a substituição imediatamente.

Calçados

O processo de higienização de EPI como calçados exige cuidados específicos. Por exemplo, é preciso que o equipamento descanse na sombra durante todo o período em que estiver fora do trabalho. Além disso, a cada 15 ou 30 dias devem ser lavados e a secagem deve ser realizada à sombra.

Não devem ser utilizados em hipótese alguma fora do trabalho ou caso apresentem furos, rasgos ou qualquer outro tipo de dano.

Protetores auditivos

Para finalizarmos o conteúdo sobre higienização de EPI, é importante mencionar um dos dispositivos que exigem mais cuidados para serem conservados adequadamente: os protetores auditivos.

Devem ser higienizados ao final de todo expediente para a retirada de secreção e sujeiras dos ouvidos. Devem secar naturalmente à sombra. Os fios do protetor não podem ser cortados e cada lado deve ser sempre utilizado no mesmo ouvido

Lembrando que é fundamental higienizá-los da maneira correta para evitar infeções nos ouvidos.

Como você pôde conferir, o processo de higienização de EPI é fundamental para conservar os equipamentos, garantindo sua funcionalidade por muito mais tempo. Por isso, deve ser realizado de forma periódica e adequadamente, conforme os procedimentos que citamos no decorrer deste conteúdo.

As informações sobre como fazer a higienização de EPI foram úteis para você? Quer receber mais conteúdos como este? Então, curta a nossa página no Facebook para acompanhar as novidades e se manter atualizado sobre o mercado!